Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Argentina e o Brasil na Observação do trânsito de Vênus

Mesa Redonda terá duas palestras que vão abordar sobre as expedições astronômicas na observação do planeta, realizada no século XIX nos dois países, com viés militares, políticos e econômicos

  • Acessos: 757

O trânsito de Vênus, quando o planeta passa entre a Terra e o Sol, é um evento raro, que acontece em pares espaçados de 8 anos, seguidos de intervalos maiores que 100 anos. Para realizar a observação, várias expedições científicas foram organizadas numa época em que as viagens eram caras, e necessitavam altos investimentos. Para contar sobre isso, o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) realiza no próximo dia 29, às 14h, a Mesa Redonda Argentina e o Brasil na observação do Trânsito de Vênus no século XIX.

A pesquisadora Marina Rieznik, da Facultad de Ciencias Sociales e da Facultad de Filosofía y Letras na Universidad de Buenos Aires, abre o evento com a palestra "Las expediciones francesas en la Patagonia como entramados de política internacional". Ela apresenta a história do registro da passagem de Vênus em 1882, realizado entre Buenos Aires e os territórios nacionais da Patagônia, nas atuais províncias argentinas de Río Negro, Chubut e Santa Cruz. E falará como foi difícil separar os objetivos puramente astronômicos de outros que motivaram e deram apoio material para as missões chefiadas por franceses na Argentina, que tinham objetivos militares, políticos e econômicos.

Na sequência, a pesquisadora Christina Helena Barboza, da Coordenação de História da Ciência e Tecnologia do MAST,  dará a palestra As múltiplas faces da Astronomia oitocentista: as expedições brasileiras para observação do trânsito de Vênus. Ela vai apresentar um estudo sobre a participação do Observatório Nacional na expedição organizada para observar o trânsito de 1882, particularmente a enviada à Punta Arenas, na Patagônia. E vai contar ainda sobre as expedições identificadas pelos contemporâneos como "ciência aplicada", na medida em que estas visavam prioritariamente a determinação de fronteiras e de coordenadas geográficas.

A mesa redonda é uma iniciativa grupo de pesquisa Território, Ciência e Nação, que tem como principal foco analisar os processos da formação territorial em suas relações com a história da ciência e da cartografia no Brasil. 

O evento acontece no Auditório do Prédio Anexo do MAST, e contará com a transmissão ao vivo pela página do museu no Facebook.


registrado em:
Fim do conteúdo da página