Junho | 2014 • Boletim Mensal • 12ª edição

Caro leitor,

Nesta edição do Portal InforMAST, o Papo de Cúpula é com Carlos Henrique Zeferino da Silva, da Coordenação de Educação em Ciências do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). Ele nos conta sobre sua paixão por sua profissão “é tão maravilhoso passar seu conhecimento para as pessoas, não tenho nem como descrever”.

Vale a pena conferir a programação do MAST durante a Copa do Mundo e as informações sobre a sexta edição do Curso de Extensão para Professores. Conheça a nova exposição do MAST que foi inaugurada na Bahia: “A Arte de Leonardo da Vinci”.

No mês de junho, começa um período em que há a promessa de noites estreladas no hemisfério sul. Vários fatores fazem desta estação, o inverno, a época perfeita para a observação do céu. Saiba mais sobre esta tradicional atividade do MAST na matéria “Céus Limpos”.

Fique por dentro de alguns dos vários eventos que aconteceram na instituição em maio: Turismo Cultural, Cursos sobre preservação de acervos, debate sobre Código de Ética e Preservação, o lançamento do livro “Um álbum para o Imperador: a Comissão Científica do Pacífico e o Brasil”.

O projeto “A Ciência que eu Faço” destaca a entrevista realizada com geólogo Jefferson Cardia Simões, primeiro brasileiro a atravessar o manto de gelo da Antártica até o Pólo Sul Geográfico (via terrestre). E nas Dicas Sustentáveis, o tema abordado é o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Nos Papers e Periódicos, estão os artigos “O Museu de Ciência: espaço da história da ciência”, de Maria Esther Alvarez Valente; e “Método da lembrança estimulada: uma ferramenta de inverstigação sobre aprendizagem em museus de ciências”, de Douglas Falcão.

Venha conhecer um pouco mais dos trabalhos realizados no MAST!

Arquivo InforMAST
Papers e Periódicos

O Museu de Ciência: espaço da história da ciência

Ciênc. educ (Bauru) vol.11 nº1 Bauru abr. 2005
Maria Esther Alvarez Valente

Método da lembrança estimulada: uma ferramenta de inverstigação sobre aprendizagem em museus de ciências

Hist. Cienc. saude-Manguinhos v.12 supl.0 Rio de Janeiro 2005
Douglas Falcão

Base de dados MAST
Links

MCTI - Institucional

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

MCTI - Institutos

Unidades de Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

IBRAM

Instituto Brasileiro de Museus

CNPq

Conselho Nacional de Desenvolvimeto Científico e Tecnológico

FAPERJ

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro

RNP

Rede Nacional de Ensino e Pesquisa

CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

FINEP

Financiadora de Estudos e Projetos

VALE A PENA CONFERIR

Céus limpos

Junto ao frio, os meses de junho, julho e agosto trazem a promessa de noites estreladas no hemisfério sul. Quem vier ao MAST, poderá observar Marte, Júpiter, Saturno e outros astros utilizando a luneta centenária e telescópios especiais.
Leia mais...

Inscrições abertas para o Curso de Extensão para Professores

O curso gratuito para professores acontecerá de 03 de setembro a 01 de outubro. Além de aulas expositivas, o curso oferece uma oficina onde será montado um modelo didático de um teodolito.
Leia mais...

MAST inaugura exposição na Bahia

“A Arte de Leonardo da Vinci” apresenta reproduções das principais obras do artista como o famoso quadro da “Mona Lisa”, “As proporções do Corpo Humano (segundo Vitrúvio)” e a “Virgem e Menino com Santa Ana”. A mostra ficará no INB até agosto de 2014.
Leia mais...

E aí? O homem pisou ou não na Lua?

Um sucesso ou uma grande farsa? No ciclo de palestras, dia 07 de junho, o astrofísico Alberto Alves apresenta, de forma segura e bastante convincente, os principais argumentos contra e a favor, cabendo ao espectador o julgamento com suas próprias conclusões. A entrada é gratuita!
Leia mais...

Papo de Cúpula
Carlos Henrique Zeferino da Silva | Planetarista do MAST

Carlos Henrique Zeferino, mais conhecido como Pelé, entrou para o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) no dia 28 de outubro de 1988. Naquela época, Pelé trabalhava despachando correspondências para os correios. Em seus períodos de folga, gostava de observar os mediadores junto ao público e memorizava as informações que eles passavam, repetindo-as para si mesmo.

Tanto aprendeu que não demorou muito para o seu talento ser notado. Ao cobrir com êxito a falta de um funcionário, ele foi incentivado pela chefa do setor de Educação daquele tempo a acompanhar os monitores, ajudando-os em suas tarefas. Foi quando o primeiro planetário inflável chegou ao MAST, em 1990. Pelé passou então a montar e desmontar o equipamento. Durante as sessões, costumava gravar o que os mediadores diziam em fitas para ouvir depois e, às vezes, até montava o planetário para repetir a sessão sozinho.

No mesmo ano, acabou se afastando do MAST. Mesmo assim, passou a participar como voluntário no planetário inflável da Praça da Ciência Itinerante, um projeto do qual o MAST era parceiro. Uma vaga de emprego no programa surgiu e Pelé foi contratado pelo Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Fundação CECIERJ). Pela Fundação CECIERJ ele viajou o estado do Rio de Janeiro inteiro com o planetário inflável “não dei a volta ao mundo, mas pelos 92 municípios do Rio de Janeiro eu passei”.

Em 1998, Pelé fez uma viagem junto a quatro monitores para Brasília, levando o planetário. Quando três deles adoeceram e não puderam mais fazer a apresentação, lhe disseram “agora é sua hora”, ao que ele respondeu “deixa comigo”. Foi ali que se tornou, de fato, um planetarista. “A profissão planetarista não existe, fui eu que inventei.” Pelé sente que “é tão maravilhoso passar o seu conhecimento para as pessoas, não tenho nem como descrever”.

Na época, usava-se um planetário analógico - uma projeção mostrava os astros enquanto o áudio de um CD explicava o que se via. Pelé não gostava disso e decidiu desligar som e falar ele mesmo o que o CD contava.

Em 2010, Carlos Henrique voltou para o MAST, trabalhando para o setor de Comunicação do museu. Ele fazia o atendimento ao público, ainda como planetarista e mediando as “visitas guiadas”. Em 2011, voltou finalmente à Coordenação de Educação em Ciências (CED), onde se tornou o responsável pelo planetário inflável do museu. Ele ainda participa da organização de eventos externos ao MAST como o Museu Vai à Praia! e a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.

O Museu de Astronomia e Ciências Afins conta hoje com um planetário inflável digital, feito a partir do programa Stellarium, que projeta imagens detalhadas de uma quantidade gigantesca de astros. Pelé planeja padronizar as sessões com o equipamento, fazendo um roteiro especial a ser seguido pelos mediadores para cada público diferente “O legal é mostrar o céu que a gente não consegue ver durante a noite, focando as estrelas, as constelações e como os antigos as viam”.

PROGRAMAÇÕES EDUCATIVAS SEMANAIS

Planetário inflável digital

1º e 2º sábado - 15h e 17h
1º e 2º domingo - 15h e 17h
5º domingo - 15h, 16h e 17h

Ciclo de palestras

1º sábado - 16h

Observação do céu

1º, 3º, 4º e 5º sábado - 17h30 às 20h
Todas as quartas - 17h30 às 20h

Visita orientada

3º, 4º e 5º sábado - 15h e 17h
1º e 2º domingo - 16h
3º, 4º e 5º domingo - 15h e 17h

Cine ciência

2º sábado - 16h

A Ciência que eu Faço

O projeto coordenado pela jornalista Vera Pinheiro reúne uma série de entrevistas, em formato de filmes de curta duração, voltadas para professores e estudantes do ensino fundamental e do ensino médio, mostrando a ciência que se faz no nosso país, em especial, as pesquisas que estão sendo realizadas nas Unidades de Pesquisa ligadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – ou, financiadas pelas agências ligadas ao MCTI.


Destaque do mês

Jefferson Cardia Simões

Geólogo. Concluiu a graduação em Geologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, em1982. Ainda pela mesma instituição, especializou-se no ano seguinte em Geologia Marinha. Em 1990, tornou-se doutor em Glaciologia pela University of Cambridge. Fez Pós-Doutorado no Laboratoire de Glaciologie et Géophysique de l'Environnement du CNRS (2001) e na University of Maine at Orono, U.M.O., Estados Unidos (2011).

Jefferson Simões foi o primeiro brasileiro a atravessar o manto de gelo da Antártica até o Pólo Sul Geográfico (via terrestre). No depoimento, o geólogo fala do Programa Antártico Brasileiro, da importância do desenvolvimento de atividades científicas na região polar e dos desafios para ampliar a área de estudo, hoje, geograficamente limitada.

Assista outros depoimentos no site:
http://acienciaqueeufaco.mast.br

Aconteceu no MAST

Turismo Cultural leva mais de duas mil pessoas ao MAST

O Museu de Astronomia participou, nos dias 17 e 18 de maio, da 6ª edição do Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão, evento que envolveu outras cinco instituições científico-culturais de grande importância histórica.
Leia mais...

MAST realiza cursos sobre preservação de acervos

No mês de maio, a Coordenação de Documentação e Arquivo do MAST realizou vários cursos sobre a preservação de acervos e ofereceu oficinas e palestras gratuitas durante a 12ª Semana Nacional de Museus.
Leia mais...

MAST promove palestra sobre Código de Ética e Preservação

O MAST Colloquia, deste ano, tem o tema “Acervos de C&T: refletindo sobre gestão, preservação e ética”. O evento é mensal, gratuito e transmitido em tempo real pela internet.
Leia mais...

MAST debate sobre a Política Científica e Circulação Internacional de Cientistas

Na mesma tarde, o Museu de Astronomia e o Programa de Pós-Graduação em História lançaram o livro “Um álbum para o Imperador: a Comissão Científica do Pacífico e o Brasil”.
Leia mais...

Dicas Sustentáveis

Dia Mundial do Meio Ambiente

Desde 1972, o dia 5 de junho é conhecido como o Dia Mundial do Meio Ambiente. Essa escolha se deu em homenagem à primeira Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo (Suécia), ocorrida na data. Anualmente, um tema é escolhido como forma de trazer consciência à população sobre o assunto. O deste ano é “Aumente sua voz, não o nível do mar”, em apoio às ilhas que correm o risco de desaparecer com o aquecimento global e a conseqüente escalada do nível marítimo.

Segundo um estudo publicado na revista Science, em 2012, o gelo nos pólos está derretendo em ritmo cada vez mais acelerado. Pela observação com satélites, constatou-se a perda anual de 4.260 bilhões de toneladas de massa congelada desde 1992. O que significa um total de 85.200 bilhões de toneladas de água líquida a mais nos oceanos. Isso aumentou o nível do mar em 11 milímetros – um quinto do aumento total nesses 20 anos. O resto – cerca de 40 milímetros - se deve à expansão térmica da água, cada vez mais aquecida.
Leia mais...

Expediente

Diretora do MAST

Heloisa Maria Bertol Domingues

Chefe do Serviço de Comunicação Social
e Atendimento ao Público

Vera Pinheiro

Idealizadores do Projeto

Lorena Kovac • Omar Martins • Vitor Dulfe

Jornalista / estagiário

Geisa Castro • Bernardo Oliveira

Projeto Gráfico | diagramação

Vitor Dulfe

Diagramadores / colaboradores

Gustavo Mamede • Henrique Rocha • Leonardo Pessoa

 


Realizado pelo Serviço de Comunicação
Social e Atendimento ao Público (SCS)
do MAST

Tel.: 21•3514-5229
atendimento@mast.br
www.mast.br