Janeiro | 2015 • Boletim Mensal • 19ª edição

Caro leitor,

Em 2015, o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) completa 30 anos. E para iniciar a comemoração, o Portal InforMAST lança nesta edição a matéria especial “MAST: Um retrato da ciência brasileira. Um campus dedicado à história e memória da astronomia”.

Vale a pena conferir as informações sobre a inauguração da exposição "Um olhar nos espaços de dimensão 3D", fruto da colaboração de um grupo formado por pesquisadores e artistas brasileiros e franceses de importantes instituições, como o IMPA, o Centre national de la recherche scientifique (França), o MAST e a Universidade Federal Fluminense (UFF).

Nesta edição, há textos especiais sobre a Biblioteca do MAST e as exposições que apresenta diferentes recursos expositivos, instrumentos científicos e documentos de seus acervos museológico e arquivístico.

Veja o que aconteceu no MAST em dezembro de 2014. Dentre os eventos, a apresentação do Projeto Museu de Ideias, o Oficina de Diagnóstico de Livros, a premiação do Projeto Thesaurus e a doação do Arquivo Pessoal de Orlando da Fonseca Rangel Sobrinho.

A coluna Observando o MAST traz a história de uma importante figura para as ciências brasileiras, sobretudo, as ciências desenvolvidas pelo Observatório Nacional (ON). No Além do Céu, conheça a fotografia a formação conhecida como os “Pilares da Criação”, capturada em 1995 pelo telescópio Hubble.

E no projeto A Ciência que eu Faço, assista ao vídeo da pesquisadora Moema Vergara, que problematiza o desafio do historiador de ciência em seu compromisso com a divulgação científica.

Leia o Portal InforMAST

Arquivo InforMAST
Papers e Periódicos

A cidade e o quilombo: objeto, patrimônio e documento

Maria Lucia de Niemeyer Matheus Loureiro

Base de dados MAST
VALE A PENA CONFERIR

MAST: Um retrato da ciência brasileira

Que tal explorar o universo científico através das edificações do campus MAST/ON?
Leia mais...

A Biblioteca do Museu de Astronomia


A biblioteca do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) é constituída de um acervo especializado em história da ciência e da tecnologia, divulgação e educação em ciências, preservação de acervos, museologia e patrimônio cultural. A formação da coleção existente na biblioteca obedece às sugestões dos pesquisadores e dos técnicos de acordo com suas áreas de atuação ou é coletada em catálogos especializados.
Leia mais...

Museu de Astronomia e suas exposições


Em meio a exemplos típicos da arquitetura e da engenharia para a astronomia dos primórdios do século XX, o MAST apresenta ciência utilizando diferentes recursos expositivos, instrumentos científicos e documentos de seus acervos museológico e arquivístico. A instituição oferece aos visitantes uma exposição permanente e outras temporárias localizadas em vários pontos do campus.
Leia mais...

Papo de Cúpula
Antonio Carlos de Souza Martins | Arquiteto

Antonio Carlos de Souza Martins é arquiteto e chefe do Serviço de Produção Técnica da Coordenação de Museologia do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). Além de gerenciar os projetos de restauração e conservação de bens imóveis tombados do campus MAST/ON, ele também é responsável por projetos em espaços arquitetônicos de exposições permanentes, temporárias e itinerantes. Em entrevista ao Portal InforMAST, ele nos conta um pouco de seu trabalho realizado no MAST.

Foi em 1990, quando Antonio Carlos começou a trabalhar no MAST diretamente na montagem da exposição temporária Brasil, acertai vossos ponteiros. “O projeto já estava pronto, eu trabalhei efetivamente na montagem, desenhando, construindo junto com a equipe que na época, já tinha arquiteto, museólogo, artista plástico”. E em 1995, passou a chefiar o Serviço de Produção Técnica do Museu.

No MAST, as exposições são geralmente trabalhadas com as temáticas de pesquisas elaboradas na instituição. Esse é o ponto de partida das exposições permanente e temporárias. “Os pesquisadores trazem o conteúdo da pesquisa, apresentam o que eles querem abordar e a gente estuda um pouco sobre isso, lê os textos que eles repassam. Leva um pouco de tempo para poder pensar no projeto”.

Nas reuniões realizadas entre as equipes envolvidas no processo, são sanadas as dúvidas e discutidas as ideias apresentadas. São essas ideias que ajudam a dar início a um projeto inicial que “a gente chama de um estudo preliminar. Depois disso, a gente faz determinados desenhos, faz a proposta e caso ela seja aprovada, a gente começa a desenvolver o projeto”.

O desenvolvimento é bem complexo porque ele embasa toda a construção da exposição envolvendo estudos que são inerentes ao processo. “Uma exposição é uma forma de linguagem, de comunicação do museu com o visitante. E essa forma de linguagem é que decodifica a pesquisa de outra maneira, ou seja, não é um artigo escrito dentro de um livro, é uma forma dentro de um determinado espaço com diferentes linguagens pra fazer essa comunicação”.

O processo, desde a concepção à construção de uma exposição, dura entre no mínimo um ano a um ano e meio, dependendo da complexidade. “São várias equipes trabalhando juntas. Diferentes conhecimentos. Por exemplo, eu como arquiteto e museólogo, os designers, tem outros arquitetos que me ajudam, e o pesquisador que acompanha todo o processo. A construção envolve marcenaria, eletricistas, pintores, a parte gráfica. E cada fase é amarrada uma na outra”.

Há diferentes formas de apresentar, numa exposição, as temáticas do conteúdo abordado numa pesquisa. “Toda exposição tem certa sequência. É como se houvesse uma linha que amarra, que une tudo. Mas, é uma linha que, ao mesmo tempo, vai evoluindo no sentido de formar um roteiro de visita. No caso da permanente, há formas de apresentar cada conteúdo para que a visita seja dinâmica e o visitante sinta-se motivado porque vê algo diferente que o instiga. As cores são diferentes, a forma de concepção da ambiência é diferente, os materiais são diferentes”.

Numa exposição temporária, o espaço é menor e a pesquisa é concentrada em um determinado tema. Nelas, “a gente cria uma unidade pra exposição toda. O percurso, o tempo de visita é bem menor. Por exemplo, na exposição do MAST Fotografia: ciência e arte a gente percebe a mesma identidade de cor nas estruturas”. Há mudanças na forma de comunicar com o público, “porque tem painel, obra de arte, fotografias, a vitrine, instrumentos, história em quadrinhos. Tem uma diferença de utilização de determinados recursos pra apresentar a história”.

O trabalho realizado com o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), na exposição Um Olhar nos Espaços de Dimensão 3 que será inaugurada em 22 de janeiro no MAST, foi diferente. “A exposição já foi montada na França. O conteúdo é o mesmo, mas a forma de apresentar é diferente. O nosso trabalho aqui foi de adaptação e construção. Gerenciar tanto a construção dentro do espaço, implantar, construir a exposição em sim. A experiência tem sido ótima”.

O próximo projeto a ser desenvolvido por Antonio Carlos e sua equipe será uma exposição para o Ano Internacional da Luz, comemorado neste ano.

A Ciência que eu Faço

O projeto coordenado pela jornalista Vera Pinheiro reúne uma série de entrevistas, em formato de filmes de curta duração, voltadas para professores e estudantes do ensino fundamental e do ensino médio, mostrando a ciência que se faz no nosso país, em especial, as pesquisas que estão sendo realizadas nas Unidades de Pesquisa ligadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – ou, financiadas pelas agências ligadas ao MCTI.


Destaque do mês

Moema de Rezende Vergara

Neste vídeo, Moema problematiza o desafio do historiador de ciência em seu compromisso com a divulgação científica. A pesquisadora pensa que a divulgação é uma forma de militância – de acreditar no valor que a ciência tem e na importância de ela atingir o público geral. Moema tem como objetivo desfazer o mito que afirma que “o brasileiro não é apto para o estudo científico” e conta que desde a época colonial, o Brasil produz trabalhos científicos.

Assista outros depoimentos no site:
http://acienciaqueeufaco.mast.br

OBSERVANDO O MAST

Em comemoração aos 30 anos da instituição, a coluna Observando o MAST traz a história de uma importante figura para as ciências brasileiras, sobretudo, as ciências desenvolvidas no campus ON/MAST.
Leia mais...

Além do Céu

Em 1995, o telescópio Hubble capturou pela primeira vez em uma fotografia a formação conhecida como os “Pilares da Criação”.
Leia mais...

Céu do mês
Aconteceu no MAST

MAST recebe doação de Arquivo

O Arquivo de História da Ciência do MAST, guardião de importantes arquivos pessoais de cientistas na área de astronomia e ciências afins, recebeu a doação do Arquivo do químico e militar Orlando da Fonseca Rangel Sobrinho.
Leia mais...

MAST realiza Oficina de Diagnóstico de Livros

A oficina tem como objetivo mostrar ao público a estrutura do livro e ensinar a como identificar danos em encadernações e preencher fichas de diagnóstico.
Leia mais...

Projeto Thesaurus é premiado em Lisboa

Thesaurus de Acervos Científicos em Língua Portuguesa, projeto coordenado pelo MAST e pelo Museu de Ciência da Universidade de Lisboa (MCUL), recebeu o Prêmio APOM.
Leia mais...

Diretora do MAST participa de lançamento de livro sobre a astronomia

A obra “História da Astronomia no Brasil (2013)” está dividida em dois volumes e reúne 40 capítulos. Parte da equipe do MAST integra o grupo de 61 autores que ajudou a narrar essa história.
Leia mais...

Projetos do MAST são aprovados por editais da FAPERJ e do CNPq

Os projetos selecionados foram "As ciências na cidade do Rio de Janeiro: ontem e hoje", de Marta Almeida, e "VII Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica", coordenado por Eugenio Reis.
Leia mais...

MAST recebe última palestra do Projeto Museu de Ideias 2014

No dia 11 de dezembro, os palestrantes Ozias Soares e Fernanda Castro, dos Museus Castro Maya (CMC), discutiram os diversos desafios que se apresentam no contexto museal.
Leia mais...

MAST na Mídia
Expediente

Diretora do MAST

Heloisa Maria Bertol Domingues

Chefe do Serviço de Comunicação Social
e Atendimento ao Público

Vera Pinheiro

Idealizadores do Projeto

Lorena Kovac • Omar Martins • Vitor Dulfe

Jornalista / estagiário

Geisa Castro • Renata Bohrer • Bernardo Oliveira

Projeto Gráfico | diagramação

Vitor Dulfe

Diagramadores / colaboradores

Gustavo Mamede • Rodrigo Alonso • Henrique Rocha
Leonardo Pessoa

 


Realizado pelo Serviço de Comunicação
Social e Atendimento ao Público (SCS)
do MAST

Tel.: 21•3514-5229
atendimento@mast.br
www.mast.br